Autoconexão - Meditação, Yoga e Autoconhecimento

Autoconexão - Meditação, Yoga e Autoconhecimento

O Autoconexão é um espaço para você vivenciar o seu melhor. Meditação, Yoga, Cursos, Voluntariado, Livros e Palestras. O caminho para se autoconhecer, online ou presencial! contato@autoconexao.org.br 19 3307-7735 - 19 3307-7736 R. Nuno Álvares Pereira, 72, Vila Nogueira, Campinas-SP, Brasil, CEP: 13088020
Autoconexão
Acesse os Cursos

Acesse os Cursos

Diariamente converso com pessoas que querem aprender a meditar, ou aquelas que já sabem meditar, mas têm dificuldade em implementar o hábito. 

Sempre dou a mesma dica: Comece criando na sua casa um espaço num lugar que você consiga ter privacidade, num momento que seja só seu. 

Esse espaço deve estar higienizado, organizado e sempre que possível com uma flor, para trazer a natureza, o belo para equilibrar e dar um clima mais gostoso para seu cantinho. Assim, com o tempo, as pessoas vão aprendendo a respeitar o seu espaço e horário, o que vai facilitando o hábito com o tempo.

Mas uma coisa que poucas vezes abordei, são as travas mentais que sofremos ao longo do processo de se iniciar um novo hábito, no caso, a meditação. E é sobre isso que vou falar hoje com você.

Além da prática, que é resistir o corpo físico sentado por um longo período, temos que relembrar que nós, nossa mente não está acostumada às pausas.

Vivemos engolidos pela rotina do dia, correria, tarefas e deveres… E aí? Como faz para enfrentar esse frenesi e mudar o comportamento?

Aqui no Espaço Autoconexão, nós sempre aconselhamos a fazer um breve alongamento antes de começar qualquer prática meditativa, pois assim, você já vai acalmando sua mente, trazendo elasticidade ao corpo para resistir a postura e o tempo parado, além de ampliar a conexão corpo-mente.

Fora os limites do corpo, (que se for muito, indicamos fazer a meditação sentado numa cadeira) temos os nossos limites mentais. 

Vamos falar um pouco de como ela está programada para lutar contra você e sua vontade de começar a meditar?

A Heulosofia entende que passamos por algumas etapas comportamentais até desenvolvermos o hábito da prática meditativa diária. E para mudar esse padrão de comportamento o único jeito é ter continuidade no processo, por isso, leia esse post até o final para entender em qual fase você se encontra e o que virá nos próximos dias para que você vença a inércia.

As fases são: Negação, Turbulência, Dispersão, Controle e Silêncio.

 

Negação:

É o início do processo em que acreditamos não precisar da prática da meditação. Nesse momento, temos em nossa mente frases como: 

"Hoje eu estou bem, não preciso meditar."

"Agora não dá tempo. Estou atrasado."

"Está frio, vai ser mais gostoso ficar meditando deitado."

"Não dormi bem essa noite, melhor dormir um pouco mais."

"Não vou meditar para chegar meia hora mais cedo no trabalho para dar conta de alguns e-mails."

Acredite tem mim, tudo isso são desculpas da sua mente para que você não medite. 

Para sair disso, você tem que começar uma negociação com sua mente. Use sua reflexão, sua força interna, e sente para meditar, nem que seja por apenas 5 minutos. Lembre-se sempre das recompensas, o bem-estar que sente após meditar, ou a realização de conseguir vencer a preguiça. 

Descubra o que te move!

 

Turbulência: 

É o estado mental que identificamos na varredura e na prática do mirar-se, quando entramos em contato com a nossa realidade interna, é o inferno de Dante. Começamos a perceber nossa bagunça interna e queremos sair correndo.

Essa fase é dolorida e requer muita paciência com nós mesmos. Nessa fase parece que temos uma piora no dia a dia, podemos perder o foco, a concentração, ficamos mais irritados... É possível até que nosso nível de tolerância com os outros também diminua.

 

Dispersão: 

É quando na mente, as inquietações se confundem. Pensamentos e ideias se dispersam, aparecem e desaparecem, dando lugar a outros pensamentos e a outras ideias.

Ficamos confusos e prolixos. Nos confundimos com os nossos pensamentos e possível até que com pensamentos que não são nossos. 

Nessa fase temos que trabalhar muito exercícios que nos traga foco. No saneamento mental, indicamos a varredura com repasse do dia. Sente para meditar e repasse todos os momentos do seu dia, com detalhes, lembre em cada situação o que você pensou, sentiu e fez. 

Outro exercício é treinar a observação, faça isso agora mesmo: Feche os olhos e por um minuto tente desenhar mentalmente o ambiente que você está (coloque um despertador). Após o período, observe se esqueceu de algum detalhe.

 

Controle: 

É o estado em que a mente se define, tudo se acalma e começamos a ter controle das emoções e dos pensamentos.

Sua mente está tão sob controle que suas ações transparecem o mesmo efeito. 

Nessa fase temos que nos lembrar que somente estamos assim, porque estamos meditando com frequência. Saiba que se você não der continuidade, você pode voltar rapidamente às fases anteriores. 

Outra coisa que pode acontecer é que, assim como na natureza, existes dias tempestuosos. Mas certamente, enfrentaremos a tempestade sem tanto sofrimento e a vida começa a ter outro sabor.

 

Silêncio: 

Tudo para. É um silêncio interior sem ação ou reação. É como um lago sem ondas, de águas claras, que podemos enxergar o fundo.

O bacana é saber que TODOS podem chegar nessa fase, pois tudo é uma questão de treino. 

 

O importante é saber em qual momento estamos para conseguirmos ter paciência com nós mesmos e sem pressa dar continuidade no processo.

Lembre-se também, que esse movimento não é linear. Alguns períodos da vida, você estará na dispersão, outros no silêncio e que você pode voltar para a negação. Mas não desanime.

 

Ah, é muito importante achar um método que você se sinta confortável. Você pode aprender a meditar gratuitamente com o Saneamento Mental, no nosso encontro semanal às quintas-feiras ao vivo pelo youtube. INSCREVA-SE.

 

Voltar